segunda-feira, 25 de abril de 2011

Como estamos de porcelana?


Cá estamos. Está-se bem, podia estar-se bem pior. Ah, se podia. A porcelana tem dias; há dias em que se lhe vêem as rachas, outros nem tanto, mas que tem rachas, tem. A porcelana da boneca tem rachas, que o tempo lhe fez, e a compressão. A compressão faz rachas. Faz a porcelana estalar; ela estala e faz barulho ao início, calando-se em seguida. Às vezes a racha não se nota logo; vem a deixar-se ver tempos mais tarde. Que a porcelana não se deixa tomar pelo oblívio, ou mesmo que quisesse; não poderia. E racha, mesmo que o som venha mais tarde... como nas trovoadas.